Catedral

Ouça a narração do texto, toque no play abaixo:

Nos anos vinte do século passado, quando foi construída a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus, Ourinhos tinha por volta de três mil habitantes. Após uma década, a população crescera mais que duas vezes e meia, assim, quando assumiu a Paróquia de Ourinhos, no início dos anos quarenta (1941), o jovem Padre Eduardo Murante sentiu de imediato a necessidade de ser edificada uma nova igreja matriz.

Assim, em 25 de julho de 1943, foi constituída a “Comissão Diretora da Construção da Igreja Matriz”, por meio da realização de uma assembleia geral extraordinária, realizada no Grêmio Recreativo. Faziam parte dessa comissão: Presidente Honorário Dom Frei Luiz Maria de Santana - Bispo de Botucatu; Presidente: Padre Eduardo Murante; Vice-Presidente: Pedro Médici; 1º Secretário: Antonio Luiz Ferreira; 2º Secretário: Benedito Monteiro; 1º Tesoureiro: Cândido Barbosa Filho; 2º Tesoureiro: Waldomiro Eusébio de Camargo; Vogais: Pedro Mattar, Henrique Tocalino, Ítalo Ferrari, Horácio Soares e Manoel de Freitas.

Uma das primeiras providências da “Comissão” foi a procura do local, tendo sido escolhido um quarteirão central quase desabitado, existente entre a atual Rua Antônio Carlos Mori, Rua Cardoso Ribeiro, Rua Arlindo Luz e Rua Rio de Janeiro. A área foi desapropriada por meio do Decreto 109, de 02/02/1944. Cinco meses após, em 29 de julho de 1944, ocorreu o lançamento da pedra fundamental da nova Igreja Matriz, tendo sido realizada uma missa campal, celebrada pelo Bispo de Botucatu, Dom Frei Luiz Maria de Santana.

A construção foi iniciada em 1945, com fundos arrecadados por meio de realização de quermesses, listas, festivais, campanhas de tijolos e leilões. Os clubes de futebol, Operário e Ourinhense, e o Cine Ourinhos doaram o produto líquido de jogos e espetáculos. Com a morte de Dom Luiz Maria de Santana em 1948, a Diocese de Botucatu passou a ter novo Bispo, Dom Henrique Golland Trindade. No final de 1949, foi concluída a cobertura da nova matriz, onde foi celebrada a “Missa do Galo”.

No ano seguinte, Dom Henrique visitou a Paróquia de Ourinhos, onde celebrou a “Crisma” e entregou o título de nacionalidade brasileira ao Professor Jorge Herkrath. Nos primeiros anos da década de cinquenta, conviveram harmoniosamente os dois templos, com cerimônias diversas celebradas em ambos. Segundo informações, a desativação da “Igreja Velha, na Praça Mello Peixoto, tenha ocorrido em 1956, seguida de sua demolição”.

A edificação das torres da nova matriz foi obra do novo vigário de Ourinhos, Padre Domingos que, para esse fim, recorreu também a campanhas, listas, leilões e quermesses, nos últimos anos dos cinquenta. Hoje, esse belo edifício, do qual todos os ourinhenses se orgulham e que foi fruto do sonho de um jovem pároco – Padre Eduardo Murante – é a Catedral da Diocese de Ourinhos.

Fotos antigas

Fotos externas

Fotos internas

Vitrais dos Apóstolos